13º salário: usar para sanar dívidas ou investir?

Paulo Massarutto Diretor Administrativo Financeiro da Cocre

Passamos do dia 20 de dezembro e maioria dos trabalhadores (senão todos) já receberam o tão aguardado 13º salário. Apesar de a primeira parcela ter sido paga lá pelo dia 30 de novembro, uma parte considerável das empresas prefere acumular as duas parcelas e pagar tudo de uma vez em dezembro. O que significa dinheiro no bolso e uma eterna dúvida na cabeça das pessoas: pagar as dívidas ou investir esse valor?

É claro que falar em investimento nessa altura do campeonato, depois de meses de retração e dificuldades financeiras por conta da pandemia da Covid-19, pode parecer algo inalcançável. Porém, em uma época como a que vivemos, até mesmo a primeira opção – pagar as dívidas – já é uma forma de investir o seu dinheiro.

O importante é não sair por aí gastando como se não houvesse amanhã, ou como se o seu 13º fosse um prêmio inesperado da loteria. Pelo contrário, ele existe e, normalmente, traz na bagagem os boletos, as faturas e o peso na consciência. Por isso, antes de gastar esse dinheiro “extra” é preciso observar alguns pontos para saber qual a melhor destinação que deve ser dada a ele. O que, por sua vez, vai depender da realidade financeira de cada um.

Se você está endividado ou com pendências que podem ser quitadas com o valor do 13º, o ideal é que você utilize o montante para quitar essas dívidas e, assim, iniciar o novo ano com a situação financeira mais estabilizada. Mas, se porventura o valor que você deve, extrapola o seu 13º, um caminho possível é compor com parte do seu pagamento e buscar uma renegociação junto aos credores.

Por outro lado, se a balança de suas receitas e despesas está equilibrada e você está sem dívidas, é importante que antes de gastar o valor você olhe para o futuro.

Ou seja, olhe para o mês de janeiro, com todas as obrigações e implicações que ele representa. IPVA (Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores), IPTU (Imposto Predial e Territorial Urbano), material escolar, e todas as outras contas.  Janeiro é um mês que normalmente as despesas ultrapassam as receitas, portanto, é sempre válido poupar um pouco para não ficar no sufoco.

Mas se você é do time dos prevenidos e conseguiu guardar uma reserva ao longo do ano, o 13º pode ser então revertido para bancar objetivos de consumo a curto, médio ou longo prazo.

A curto prazo você pode aproveitar as festas de fim de ano para comemorar, presentear ou viajar, sempre com moderação. A médio e longo prazo o valor pode ser aplicado, ou mesmo destinado para a troca de um carro ou a compra da tão sonhada casa própria.

Seja como for, o 13º deve injetar cerca de R$ 232,6 bilhões na economia do país e beneficiar aproximadamente 83 milhões de brasileiros, segundo estudo feito pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos). É um valor que chega em uma boa hora e vem para dar um respiro para o bolso dos brasileiros, mesmo aqueles que não têm direito ao benefício.

Portanto, seja para pagar dívidas ou para investir, o importante é que você utilize o seu 13º salário com responsabilidade e disciplina financeira.