Educação financeira para mulheres

Paulo Massarutto Diretor Administrativo Financeiro da Cocre

Com o dia internacional da mulher, comemorado em 08 de março, proponho uma reflexão a respeito da relação da mulher com o dinheiro e, sobretudo, com a educação financeira.

Nos últimos anos, temos visto uma ascensão feminina em todos os campos da vida. As mulheres têm ganhado cada vez mais independência, seja no âmbito emocional, profissional, social ou de relacionamento. E tudo isso é muito bom, fruto, inclusive, da luta das mulheres nas últimas décadas.

Sabemos que ainda é possível evoluir mais em alguns aspectos, principalmente no que diz respeito ao espaço que a mulher ocupa no mercado de trabalho e, sobretudo, em cargos de liderança. Mas a reflexão que proponho, hoje, é a reflexão em torno do próprio dinheiro que a mulher tem ganhado. Claro, essa reflexão poderia acontecer para homens e mulheres, mas, em comemoração ao Dia da Mulher, vou direcionar esse conteúdo exclusivamente para elas, em forma de homenagem.

O primeiro ponto importante a ser dito é que, administrando bem o próprio dinheiro, a mulher pode se tornar ainda mais independente, em todos os sentidos. Para isso, o primeiro é estudar! A educação financeira é a base de tudo.

Quando falamos de educação financeira, começamos do básico: quanto entra e quanto sai de dinheiro. A primeira dica é fazer uso de uma planilha financeira simples, com uma coluna descriminando o que entrou (seja o salário ou qualquer renda extra) e o que saiu (contas fixas, compras aleatórias, investimentos etc.).

A partir dessa organização, é possível começar a ter uma noção maior do destino do dinheiro e aí, sim, gastar com consciência e investir. Organizar as finanças é o básico da educação financeira.

Conhecer o perfil de investidor (a) é também fundamental dentro do contexto financeiro, porque ao aprender sobre educação relacionada ao dinheiro, você saberá que investir é necessário. E para investir, além de ter o capital destinado a isso, a pessoa ainda precisa conhecer seu perfil para alocar melhor cada centavo, aplicando na renda fixa, variável ou mesmo no risco.

Quando esses dois pontos (organização financeira e investimentos) estiverem alinhados é sinal de que a educação financeira realmente ensinou alguma coisa. Educar-se financeiramente é essencial em todos os contextos e para todo mundo, inclusive para as mulheres.

O mais importante de tudo: cuidar melhor do dinheiro torna você independente e muito mais empoderada, ficando livre para propor suas ideias ou iniciativas sem o medo das contas para pagar. Além disso, essa é uma forma de potencializar os sonhos e os objetivos de vida. E é para isso que todos nós vivemos.

Feliz Dia da Mulher. Parabéns a todas.