O social entre as práticas ESG

Evandro Piedade do Amaral Presidente da Cocre

Você já se perguntou qual o papel social da sua empresa perante a sociedade? Talvez isso nem passe pela sua cabeça, mas saber responder a essa pergunta de maneira clara pode significar muito mais em aspectos financeiros e mercadológicos para o seu negócio do que a sua última sangria de caixa, por exemplo.

Isso significa que, mais do que a qualidade do produto ou serviço que a sua empresa entrega e os lucros que ela obtém com eles, seu negócio hoje é medido e valorizado também pela imagem que ele passa. Diante dos dilemas da sociedade moderna, a imagem vale, muitas vezes,  mais do que o próprio capital de uma companhia.

A pandemia da Covid-19 acentuou ainda mais essa tendência e mostrou que, empresas ao visar apenas o lucro a todo custo, se tornam mais frágeis e sofrem mais durante as crises. Por outro lado, organizações solidárias e participantes do contexto social aproveitam melhor os momentos de dificuldade e conseguem até crescer, mesmo em meio a situações mais desafiadoras para o resto da sociedade.

É nessa conjuntura que a sigla ESG ganha força a cada dia como uma visão mais abrangente de sustentabilidade. Em inglês, a sigla representa as iniciais: ambiental, social e governança, que constituem o tripé sobre o qual uma empresa deve apoiar suas iniciativas que visam contribuir para um mundo melhor e mais justo nos aspectos social, ambiental e econômico.

Dentro desse tripé, uma letra em específico tem particular relevância na atual crise global causada pela propagação do novo Coronavírus: o S. Com um tecido social muito fragilizado, o Brasil vive um momento de incertezas que praticamente inviabilizam a aprovação de políticas públicas voltadas a reduzir os níveis de desigualdade e de vulnerabilidade social.

Nesse momento é que nasce a oportunidade para empresas e organizações mostrarem a razão de suas existências para sociedade. Com iniciativas pensadas para a coletividade, os projetos sociais são alvo certo para as marcas que querem fazer algo a mais, dentro do seu contexto.

Surge então,  a oportunidade de inserir novos projetos que englobam a sociedade nos planos de negócios das empresas, e nesse passo, a chance de começar a mudar a sociedade através de gestos que por mais simples que sejam, envolvem o pilar social, focado em pessoas.