Viver assumidamente pelo outro: uma missão de amor

Por Vieira Júnior, Head de RH.

Na rica tapeçaria das ideias filosóficas, Platão e Sócrates, dois luminares da Antiguidade, teceram reflexões profundas sobre o amor, delineando abordagens distintas, mas complementares.

Platão, em sua obra ‘O Banquete’, destacou o conceito do amor Heros, onde a relação amorosa se manifesta na dualidade da falta e na realização do desejo. Para Platão, o amor é o anseio pela integração, pela reunificação daquilo que um dia foi uno. Na ausência, o amor desperta o desejo de preencher o vazio, culminando na busca pela completude.

Já Sócrates, mestre de Platão, apresenta sua visão em ‘O Simpósio’, delineando o amor Philia. Para ele, o verdadeiro amor está na presença constante, na amizade que se perpetua no tempo. Philia é o afeto cultivado na convivência, na troca de ideias e na partilha de experiências. É o amor que se fortalece na presença, na construção de laços sólidos e duradouros.

Entretanto, é na figura de Jesus, que além do homem religioso foi um grande filósofo, que encontramos a síntese dessas ideias.

O amor Ágape, ensinado por Jesus, transcende as barreiras entre os tipos de amor apresentados por Platão e Sócrates. Ágape é o amor incondicional, que abraça a falta e a presença, que une o desejo e a convivência. É o amor que se manifesta na compaixão, no perdão e na doação total.

Assim, a relação genuína, que une o amor Heros, Philia e Ágape, revela-se como uma junção harmoniosa de todas as nuances do amor.

Amar acima de tudo, em qualquer situação, é abraçar a complexidade do ser, reconhecendo que o verdadeiro amor é multifacetado e transcende as limitações que possamos impor a ele. No entrelaçar desses conceitos, encontramos a essência de um amor que perdura, transforma e eleva o ser humano a patamares mais elevados de compreensão e aceitação.

Quem ama, eleva a sua consciência.

Viver assumidamente pelo outro é desejar o bem na distância, construir laços fortes na presença e não abrir mão, jamais, de ter o ser humano em primeiro lugar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *